14 de set de 2011

Serviços - Combate a Incêndios
Urbanos e Florestais

Os serviços de Combate a Incêndios são realizados quando de alguma maneira um princípio de incêndio não pode ser controlado pela população, sendo necessários recursos apropriados, deslocados pelo Corpo de Bombeiros, até o local do sinistro, onde são realizadas ações de Combate a Incêndios.

Orientações de Segurança - Emergência - LIGUE 193
Emergência - LIGUE 193

COMO AVISAR O CORPO DE BOMBEIROS

COM CALMA IDENTIFIQUE-SE E INFORME:

  • NOME E TELEFONE
  • LOCAL DA OCORRÊNCIA
  • PONTOS DE REFERÊNCIA
  • Nº DE VÍTIMAS
  • SE POSSÍVEL ISOLE O LOCAL

EQUIPE DO SIATE


EQUIPE DO ABTR - COMBATE A INCÊNDIO E SALVAMENTO

5 de set de 2011

Extintor

Extintor de Incêndio: Orientações Importantes Email
Uma pergunta se faz necessária: Você tem um extintor em seu escritório ou residência? Se a resposta for negativa, indico a aquisição de um extintor como meio de prevenir incêndio em sua propriedade e garantir a integridade física de seus familiares.
Extintor de Incêndio: Orientações Importantes

Por falar em extintor de incêndio, devemos saber algumas orientações:

1) Verifique regularmente o estado de conservação do extintor, seguindo as instruções contidas no rotulo do fabricante e observe se o ponteiro indicador de pressão permanece na faixa verde, o que indica estar devidamente pressurizado.

2) O lacre de inviolabilidade deve estar intacto.

3) O extintor não deve apresentar sinais de oxidação (ferrugem), riscos ou amassamentos. As instruções de operação devem estar legíveis.

4) Não teste seu extintor, sem recarregá-lo novamente, pois uma pequena descarga poderá acarretar um micro vazamento da pressão interna, tornando-o inoperante.

5) Nunca atire ou deixe um extintor próximo do fogo, mesmo que descarregado. O calor do fogo aumentara á pressão interna do cilindro, podendo causar uma explosão.

6) Use o extintor na vertical, nunca deitado ou de cabeça para baixo.

7) Jamais descarregue o conteúdo do extintor no rosto de uma pessoa e mantenha-o fora do alcance das crianças. Você percebeu que ordem, arrumação e limpeza são grandes aliados na prevenção de incêndios. Jamais pense que incêndios acontecem só com os outros. Desta forma, não custa nada prevenir, não é verdade?
Nem sempre as técnicas preventivas são suficientes para se evitar que surjam os incêndios florestais. Nenhum plano de controle de incêndio pode funcionar sem um adequado sistema de deteção e localização.

DETEÇÃO E LOCALIZAÇÃO DO INCÊNDIO

O método mais prático e econômico de deteção e localização dos incêndios florestais é o uso das torres de vigilância. Outras formas possíveis são: o patrulhamento terrestre; de avião; ou através de imagens de satélites (como é feito na Amazônia).
torre1.jpg As torres podem ser construidas de madeira, aço ou concreto. Têm no topo uma cabine envidraçada fechada, com visibilidade para todos os lados e onde permanece o vigia.
A altura da torre depende da topografia, variando de 10 a 40 m. As mais altas são construidas nas áreas planas. A distância máxima entre duas torres é de cerca de 15 km e cada uma pode cobrir de 15 a 18.000 ha.
Ao se instalar uma rede de torres, não é necessária uma visibilidade de 100% da área. Uma cobertura de cerca de 70% da área florestada já é suficiente e economicamente viável.
cabine2.jpg Para a identificação do local do incêndio, é necessário que cada torre tenha um binóculos, um rádio ou telefone e um goniômetro (aparelho usado para a determinação da direção do fogo). Os goniômetros devem ter a mesma orientação (o zero apontado para o Norte magnético) em todas as torres. Pode-se, através de coordenadas, determinar com razoável precisão o local do incêndio.

AS BRIGADAS DE INCÊNDIO

Chamam-se de brigadas de incêndio os grupos de pessoas que receberam treinamento para o combate ao fogo. Cada brigada, por razões de ordem prática, deve ter no máximo, 20 homens.
Após a deteção, comunicação e localização do incêndio (tarefas essas da responsabilidade do vigia da torre), é necessário que o pessoal responsável pelo combate ao fogo, chegue o mais rápido possível ao local do incêndio. A rapidez do ataque é fundamental no sucesso da operação de combate.
Chegando ao local, deve-se estudar detalhadamente a situação antes de se tomar qualquer medida relativa ao combate. A primeira etapa desse estudo é uma avaliação criteriosa do incêndio: tamanho, extensão, velocidade de propagação, intensidade; clima; vegetação; rede de aceiros; estradas; e fontes de captação de água. Daí resultam: a escolha do método de combate; a distribuição das brigadas de incêndio (designando o setor e o serviço de cada qual); e a seleção e uso dos recursos necessários para o combate efetivo ao incêndio florestal.

Equipamentos Necessários

Para uma maior eficiência no combate aos incêndios, é sempre recomendável ter ferramentas e equipamentos de uso exclusivo para esse fim. Esse material deve estar sempre em condições de uso e armazenado em locais pré- determinados.
fire7.jpg Dentre as ferramentas manuais mais usadas no combate ao incêndio florestal, destacam-se: machados, enxadas, foices, pás, rastelos, abafadores, serras, bombas costais, baldes, regadores, lanternas e lança-chamas.
helicoptero.jpg Em incêndios florestais de grande porte, é necessário recorrer aos equipamentos pesados, tais como: tratores com lâmina, caminhões-tanque, motoniveladora, motobombas e até aviões e helicópteros especiais..

MÉTODOS DE COMBATE AO FOGO

Existem pelo menos quatro (4) métodos de combate ao fogo nos incêndios florestais. A saber:

1 - MÉTODO DIRETO

Usado quando a intensidade do fogo permite uma aproximação suficiente da brigada à linha de fogo. São usadas as seguintes técnicas e materiais: água (bombas costais, baldes ou moto-bombas); terra (pás); ou batidas (abafadores).

2 - MÉTODO PARALELO OU INTERMEDIÁRIO

Usado quando não é possível o método direto e a intensidade do fogo não é muito grande. Consiste em limpar, com ferramentas manuais, uma estreita faixa, próxima ao fogo, para deter o seu avanço e possibilitar o ataque direto.

3 - MÉTODO INDIRETO

Usado em incêndios de intensidade muito grande. Consiste em abrir aceiros com equipamento pesado (tratores, etc.), utilizando ainda um contra-fogo, para ampliar a faixa limpa e deter o fogo, antes que chegue ao aceiro.

4 - MÉTODO AÉREO

Usado nos incêndios de copa, de grande intensidade e área e em locais de difícil acesso às brigadas de incêndio. São usados aviões e helicópeteros, especialmente construidos ou adaptados para o combate ao incêndio.
Deve-se procurar encurralar o fogo, tão logo seja possível. Em incêndios pequenos e fracos, o ataque pode ser feito pelo método direto. Em incêndios maiores, o combate deve ser iniciado pelos flancos e ir avançando até a frente.
Deve-se revezar as turmas antes que estejam incapacitadas para a luta por cansaço.

O USO DO AVIÃO NO COMBATE A INCÊNDIOS

catalina.gif As primeiras tentativas de combate aéreo a incêndios foram feitas em 1930/31 em Spokane, Washington e Sacramento, nos Estados Unidos. C.J.Jensen voou sobre incêndios florestais num avião Hispano-Suisso da I Guerra Mundial, adaptado com 2 pequenos tanques de água. Houve experiências posteriores na Rússia, em 1934, nos EUA e Canadá, em 1937, e EUA e Austrália, em 1940. O primeiro êxito operativo, entretanto, só ocorreu em 1950, no Canadá, quando um avião Beaver, lançou "bombas de água" (bolsas de papel e plástico de 14 litros cada, em grupos de 6 a 8 por vez) sobre um incêndio florestal, conseguindo assim retardar a sua propagação, até que as equipes de terra conseguissem sua extinção total. A partir de então, aumentou muito o uso desta técnica, graças ao uso de aviões remanescentes da II Guerra, já fora de serviço, convenientemente transformados e equipados com depósitos e dispositivos especiais para os "bombardeios de água".
As quantidades de água variam em função da capacidade de combustão da massa. Estima-se que para controlar um fogo de campo, um avião IPANEMA (de fabricação nacional), com capacidade para 500 l de água, cobrindo uma faixa de 10 m, com descarga de 200 l/ha, possa retardar ou suprimir o fogo em 2.500 m, o que ele fará em um minuto de aplicação. Numa distância de 15 km da pista, ele poderá fazer 3 decolagens por hora e, em 8 horas de trabalho por dia, suprimir um incêndio igual ao que consumiu o Parque Nacional das Emas, em 1988.
Aviões e helicópetros são particularmente úteis no lançamento de grandes quantidades de água ou de retardantes químicos sobre o fogo.
Aviões e helicópetros de vários tipos podem ser usados no combate a incêndios florestais.















































































Entre as finalidades do combate aéreo a incêndios florestais, destacam-se:

  • patrulhamento aéreo da área a ser protegida
  • ataque rápido ao incêndio, antes que adquira tamanho e violência
  • combate ao incêndio em terrenos inacessíveis às equipes de terra
  • descarga de grandes quantidades de água ou de retardantes químicos sobre o incêndio e em curtos intervalos de tempo
  • mudança rápida de um incêndio a outro, extinguindo focos iniciais distantes entre si e protegendo homens e materiais
  • transporte de homens e equipamentos de combate terrestre.
Embora de custo elevado, uma PATRULHA AÉREA presta inestimáveis serviços nas extensas áreas florestadas. Estes serviços, contudo, não dispensam as estratégicas torres de observação implantadas em terra e complementam a sua ação. O patrulhamento aéreo pode ser feito com ULTRALEVES ou com aviões mono ou multimotores, sendo estes últimos os preferidos, por motivos de segurança, autonomia e velocidade.
Os vôos de patrulhamento têm por fim identificar o início dos incêndios florestais e devem ser feitos a baixas altitudes (cerca de 3.000 m do solo), possibilitando assim uma visão de cerca de 15 km para cada lado. Os aviões de asa alta facilitam a visibilidade.
Usando-se aviões de grande porte, e sendo longas as distâncias, cada incursão pode durar de 1 a 2 horas. Um mesmo aparelho pode realizar 5 a 10 vôos por dia de serviço. Em caso de avistar um incêndio, o piloto deve comunicar à equipe de terra: a) a localização exata do incêndio; b) a situação atual do incêndio; e c) a topografia e características do terreno.
aviaofg1.jpg Em 1966 o Canadá fabricou o avião anfíbio CANADAIR CL-215, considerado o protótipo ideal para a extinção de incêndios florestais e que transportava até 5,5 t de água em seus tanques e que não precisa pousar para reabastecer de água; basta haver um lago ou rio nas proximidades, com extensão mínima de 1.800 m para que ele, apenas tocando a superfície líquida, reabasteça e volte ao local do incêndio.
Em 1969 conseguiu-se o sistema mais perfeito de lançamento de água: um depósito de 2.000 litros, colocado sob a fuselagem do avião e cujo fundo é uma membrana plástica que se desprende ao lançar a água, conseguindo-se assim uma caída compacta da mesma. Usou-se na experiência, um avião De Havilland DHC-6 Twin etter.
Para mostrar o potencial dessa atividade, basta dizer que, somente nos EUA e entre 1960 e 1988, aviões e helicópteros de todos os tipos e tonelagens, efetuaram mais de 48.000 horas de vôo por conta de atividades florestais, lançando cerca de 20 milhões de litros de água sobre mais de 1.050 incêndios florestais.
Infelizmente, no Brasil, está tudo por ser iniciado, apesar do grande potencial do país, cuja indústria aeronáutica disputa mercado com países desenvolvidos. Acrescente-se o fato de termos o 5o. maior país do mundo em extensão territorial e de possuirmos as maiores reservas florestais do planeta. Trabalhos de combate a incêndio em canaviais foram realizados em 1981 e 1982 pela AVAL - Aviação Agrícola Lençois, em Lençois Paulistas - SP com bons resultados, usando soluções de DAP - Diamôniofosfato.
Como o calor de combustão do material florestal é de cerca de 5.000 cal/g e o calor latente de evaporação da água é de 500 cal/g, é necessário aplicar cerca de 10 vezes o peso do material combustível existente (em água) para se extinguir o fogo. Segundo VINES, em um incêndio florestal de 800 Kcal/m.s é necessário aplicar água à razão de 1,5 kg/m.s para se dominar o fogo.
aviaofg.jpg Mais eficiente que a água é a aplicação aérea de retardantes químicos (sulfato de amônia, diamônia fosfato, borato de cálcio e sódio) sobre a vegetação ainda não atingida pelo fogo. O diamônia fosfato, por exemplo, pode ser usado na dosagem de 200 g/m^2 de área.

ESTRATÉGIAS DE COMBATE AÉREO


ATAQUE DIRETO

ataque direto
As descargas de água são lançadas diretamente sobre as chamas (no caso de incêndios pequenos) ou sobre os pontos mais quentes ou de atividade mais intensa (em incêndios de grandes proporções) , identificados pela cor mais escura e maior densidade de fumaça. Também é empregado para cortar e reduzir uma frente de chamas. Ou para diminuir a temperatura ambiente e permitir maior aproximação dos homens que trabalham na extinção por terra.

ATAQUE INDIRETO

ataque indireto
As descargas de água são lançadas adiante do incêndio, a fim de obter uma linha de contenção da qual o incêndio não ultrapassa. Este tipo é especialmente útil e possível, quando se utilizam retardantes químicos, pois pode-se estabelecer verdadeiro corta-fogo ou reforçar os já existentes. Essa técnica é provavelmente a mais indicada para o controle de incêndios em regiões de Cerrado e nos pastos.

MEDIDAS DE SEGURANÇA APÓS O COMBATE

As principais medidas de segurança a serem adotadas após o combate ao incêndio florestal, são:

  1. procurar e apagar possíveis "incêndios de manchas", causados por fagulhas;
  2. ampliar o aceiro em torno da área, para melhor isolamento;
  3. derrubar as árvores ou arbustos que estejam queimando;
  4. eliminar todos os resíduos de fogo dentro da área queimada; e
  5. manter patrulhamento, com número suficiente de pessoas, até que não haja perigo de reativação do fogo. Voltar no dia seguinte, para nova vereificação.